Buscar
  • Elisa Lopes

Ganhos e renúncias...


Será que eu caso ou compro uma bicicleta?

Expressão antiga e ainda corriqueira nos dias de hoje, resume bem a sensação de confusão ou duvida que a pessoa se encontra.

Dia após dia o nosso leque de possibilidades aumenta em todos os terrenos da nossa vida e nos causa angustia.

De uma simples escolha entre comer um pão integral ou um croissant logo cedo, até largar ou não o emprego atual que te consome e te paga mal, cada decisão tomada na nossa vida aos poucos vai desenhando nosso caminho e nos formando como ser humanos.

Porque nós somos frutos de nossas escolhas e temos em nossas mãos até mesmo a decisão de ser feliz ou triste. Porque não é o externo que determina o que sentimos, mas o modo como encaramos o universo ao nosso redor e nosso eu interior.

Nós nunca saberemos os rumos que nossas vidas teriam tomado se tivéssemos optado por outro caminho, outro olhar, outra reação, interpretação e etc. Por isso é tão difícil tomar uma decisão. Porque o tempo não volta e, por mais que todos tenhamos a opção mais tarde de nos arrepender, dar um passo atrás, mudar o jogo, virar a mesa, trocar de opinião e direção, nós não seremos mais os mesmos e um pedacinho da nossa estória já estará escrito.

Mas não leve isso como uma coisa ruim. Isso é bom!! Significa que estamos caminhando, que por mais que algo tenha mudado lá atrás, hoje evoluímos e procuramos algo diferente.

Ao fazermos escolhas sempre estaremos abrindo mão de alguma coisa. Porque é impossível fazermos tudo, gostarmos de tudo, concordarmos com tudo, agradarmos a todos e sermos aceitos por todos. Por isso devemos também estar atentos aos erros e acertos dos outros, para tirarmos lições e incorporarmos na nossa vida.

As vezes abrimos mão do que já não nos completa, outras pesamos na balança os prós e contras, as vezes até sabemos que temos grande chance de quebrar a cara, mas que graça teria a vida se não tivéssemos que nos reinventar de vez em quando?

Abrir mão da família por um grande amor, um emprego formal pela informalidade, uma viagem cancelada por causa de um evento importante, um amigo por uma paixão; Escolhas onde ambos os lados sempre terão argumentos para te convencer de que você está certo e tomou a melhor decisão.

Mas lembre-se que nem sempre existe o CERTO e o ERRADO.

A decisão apropriada é a que te completa.

A escolha a ser feita exige muitas vezes tempo para reflexão e, quando você tiver esse momento para pensar, dê a real importância ao que está em jogo.

Um exercício bem legal de fazer é fechar os olhos e imaginar a sua vida depois da escolha. Com o caminho escolhido, você está como?? Mudou o que?? O que você está sentindo? Como está a relação com as pessoas ao seu redor? Você conquistou o que queria? Descreva a sua nova realidade!!

Pegar um papel e didaticamente listar os pontos fracos e fortes, a escala de prioridade que determinadas atitudes tem e, como a escolha afetará as áreas mais relevantes na sua vida, também é uma tarefa interessante que pode ajudar e muito a clarear os pensamentos para o próximo passo.

Lembre-se sempre que o percurso que está sendo traçado é a sua vida!!

Ninguém mais percorrerá a estrada que você está desenhando...

Por isso, ao fazer uma escolha, leve em conta o destino que VOCÊ quer encontrar e não aquele que escolheram para você!

Escolhas podem ser vistas como renuncias, mas são principalmente conquistas e, ter a certeza de que, independente do resultado, você é a responsável pelas suas escolhas e vive a vida que escolheu, ah, essa sim é a alternativa correta!


1 visualização

(11) 98202-4909

©2018 BY ELISA LOPES CONSULTORIA DE QUALIDADE DE VIDA. PROUDLY CREATED WITH WIX.COM